Pin It button on image hover

Uma marmita de amor!

Desde que o meu filhote mais velho começou a trabalhar que desde logo optou por levar de casa o almoço. Além de ficar bem mais em conta, fica sempre mais satisfeito e feliz com o que lhe preparo e diz ele que assim sempre leva ali na marmita um "pedaço de sabor de mãe"...
A sua preferência vai para as massas e o arroz que adora comer frio e, como vegetariano que é, quase sempre faço a acompanhar uns legumes que refogo no wok, grelho ou asso no forno para os deixar coradinhos e tenros e depois é só colocar na mochila. Fica ele feliz e eu mais descansada pois assim, sei o que ele come e que anda bem alimentado.

Faço sempre questão de ir variando mas confesso que nestas alturas me daria um jeitão o livro da Carla Carmo do blog De Cozinha em Cozinha, o "I Love Marmita" e que ela lançou muito recentemente, pois ia ser de uma grande ajuda.

Serve então este post para participar no seu passatempo e tentar assim a minha sorte e ver se consigo um maravilhoso exemplar. 

Wish me Luck!












Legumes grelhados que sejam da vossa preferência

Cozer o arroz conforme diz na embalagem, reserve até arrefecer.
Entretanto grelhe os legumes até ficaram coradinhos e tenros.
Envolva-os no arroz tempere de amor e carinho e guarde na marmita.

Beijinhos e Bom Fim de Semana!

Coroa de Nógado

Esta receita serviu para levar até ao Alentejo, onde fui passar o Natal.
A minha mãe adora mas, a paciência para a fazer já lhe vai faltando, daí tê-la feito eu e levado com todo o carinho.
Queria agradecer à querida Ana Caldeira que me facultou a receita, tal como é feita na minha terra.
Beijinho para ela.





6 ovos e 1 gema
2 meias cascas de um ovo, de azeite
1 colher de café de sal  
1/2 kg de farinha ou até tender 
1 frasco grande de mel 
2 colheres de sopa de açúcar

Comece por bater os ovos com o azeite (use a metade de uma casca de um dos ovos partidos, como medida) e o sal. Depois de tudo bem batido vá juntando aos poucos a farinha até a massa ficar na consistência desejada. Na bancada da cozinha, faça rolinhos bem fininhos de massa. Corte pequenas tiras e frite depois em óleo bem quente.
Depois de fritos e de terem arrefecido, corte a massa em pequenos pedaços. Reservar.
Leve ao lume num tacho o mel com o açúcar até conseguir uma calda em ponto de rebuçado o que se verifica quando, pondo uma colher do mel dentro de uma tacinha com água fria, ele solidifica e fica uma bolinha em jeito de rebuçado.
Deita-se a massa frita e cortada para dentro do tacho e envolve-se bem no mel.
Rapidamente despejam-se pequenos montinhos num prato e com as mãos molhadas em água fria, vai-se dando o formato de uma coroa apertando bem e o suficiente para que fique bem moldada e firme.

Manjar Branco / Dia Um...Na Cozinha

Bom dia e desde já um BOM ANO para todas/os com tudo de bom. Eu só espero que seja passado com saúde e que continue a reinar por aqui o Amor, a Felicidade e a Harmonia que é tudo o que eu mais aprecio e prezo.

Como muitas de vós sabem, passei parte da infância e adolescência no Alentejo mais propriamente em Portalegre cidade onde nasci, embora também tivesse morado algum tempo em Estremoz mas é, em Portalegre que guardo mais memórias e boas recordações.
Não imaginam o que é viver num rés-do-chão e ter como vizinhas do 1º andar as manas Cardoso umas das maiores doceiras do concelho, na minha modesta opinião, isto para não dizer do país.
Lembro-me dos cheiros sobretudo e depois em festas ou ocasiões especiais a minha mãe sempre lhes fazia as encomendas de bolos ou sobremesas.
Mas era no Natal que eles enchiam a minha mesa. A minha mãe encomendava e depois no dia 24 à tarde lá subíamos nós até ao primeiro andar, a buscar as guloseimas e deliciosas iguarias por elas preparadas de forma maravilhosa e irrepreensível. O Natal era por isso para mim, uma ocasião mesmo muito especial não só pelo juntar da família e a convivência animada mas sobretudo pelas mesas cheias e com tanta coisa boa.
Uma das sobremesas que eu mais apreciava depois do toucinho do céu, era o Manjar Branco, receita que vos trago hoje e que em minha casa era vista sempre na mesa da consoada logo depois dos sonhos de abóbora e das rabanadas.
Claro que não ficou tão bonita e apelativa como ficava feito pelas manas Cardoso, mas garanto que de sabor, me transportou de novo àquele tempo e deliciei-me com este manjar para mim muito especial.




É por isso e por todas as razões do mundo, a receita especial de Natal que trago para o evento "Dia Um... Na Cozinha" em que foi pedida uma "Iguaria de Natal".
Esta é a minha iguaria escolhida, bem sei que diferente e talvez nem conhecida ou a fazer parte das vossas mesas nesta época, mas sendo diferente acho que é ainda mais um motivo para partilhá-la convosco...

Manjar Branco de Natal



250 g de açúcar
100 g de farinha de arroz
40 g de fécula
750 ml de leite

Põe-se ao lume o açúcar com meio litro de água até conseguir o ponto de cabelo. Em seguida junta-se 300 ml de leite e mexe-se bem.
No restante leite desfaz-se a farinha e junta-se à calda de açúcar. Leva-se de novo ao lume até engrossar.
Assim que começar a querer despegar das paredes do tacho é porque deve estar no ponto no entanto a melhor forma de saber se o manjar branco está pronto é retirar um pouco da massa para um prato e assim que arrefecer ver se este despega bem do prato e não está pegajoso. Se estiver leve de novo ao lume senão, retire.
Com a ajuda de duas colheres de sopa moldam-se pequenos pedaços em jeito de croquetes e dispõem-se numa travessa ou prato.
Vai ao forno  a corar, envolto em panos molhados.

Fonte da Receita: Livro "Doces Conventuais da tradição
de Santa Clara", das manas Cardoso.

Espero que gostem da minha escolha para a 8ª edicão do "Dia Um ... Na Cozinha!" e primeira receita desta novo ano que hoje se inicia.

Mais uma vez um BOM ANO 2014 para todos!